Voltar ao topo

Confira a entrevista de Rob Galbraith, autor do livro "O fim do seguro como o conhecemos" e uma das atrações do 13º Insurance Service Meeting

30 de Outubro de 2019 - Eventos

 

Rob Galbraith, diretor de Inovação do AF Group e autor do livro “O fim do mercado de seguros como conhecemos” (“The end of insurance as we know it”, em inglês), é uma das principais atrações no 13º Insurance Service Meeting e no 4º Encontro de Inteligência de Mercado – eventos simultâneos promovidos pela CNseg, de 6 a 7 de novembro, no Transamérica Expo Center, na cidade de São Paulo e cujas inscrições encerram nesta sexta-feira, 1° de novembro.

O especialista norte-americano discutirá as profundas mudanças previstas no setor segurador nos próximos anos, tendo em vista o acelerado avanço tecnológico. Galbraith apresentará dicas para a longevidade das companhias em um ambiente digital, falará sobre algumas das tecnologias que deverão se consolidar no setor, como a telemetria, a inteligência artificial e a chamada Tecnologia de Registro Distribuído (DLT, na sigla em inglês), cuja primeira infância é representada pelo Blockchain, e o novo perfil da mão de obra. 

Para o presidente da CNseg, Marcio Coriolano, a participação de palestrantes internacionais, como Rob Galbraith, ratifica o pioneirismo do Insurance Service Meeting e do Encontro de Inteligência de Mercado na discussão de tendências e de novas tecnologias voltadas para o setor segurador. Além da moderação de Coriolano, o painel “The end of insurance as we know it” terá o Presidente da Federação Nacional de Capitalização (FenaCap) e presidente da Brasilcap, Marcelo Farinha, e o CEO da Mapfre, Luis Gutiérrez, como debatedores

Insurance Service Meeting reúne executivos e especialistas das áreas de Tecnologia da Informação, Negócios, Produtos e Serviços, interessados em avaliar inovação e avanços tecnológicos no setor. Nessa 13ª edição, os participantes vão debater também temas como ética e a tecnologia usada para ampliar a compreensão de doenças e oferecer alternativas de tratamento.

Confira abaixo a íntegra da entrevista com Rob Galbraith.

Quais tecnologias emergentes você acha que terão mais impacto no mercado de seguros nos próximos anos? 

Acredito que três grandes tecnologias já estão revolucionando o seguro hoje e o farão ainda mais nos próximos anos. A primeira é a Telemetria, que utiliza sensores baratos em carros, residências, empresas e em dispositivos móveis, entre outros, capturando e transmitindo dados para se observar e medir, em tempo real, o comportamento das pessoas e de sistemas e está fazendo dessa era a era do Big Data. A segunda é a Inteligência Artificial (IA) em todas as suas variedades como, por exemplo, o aprendizado da máquina, aprendizado profundo, floresta aleatória, etc., dando sentido a todos esses dados de streaming, exatamente da mesma forma como o GPS envia sinais para os dispositivos móveis das pessoas e indica o caminho mais rápido para o destino desejado. E a terceira tecnologia, que ainda está em sua infância, é o Blockchain ou, mais amplamente falando, a Tecnologia de Registro Distribuído (DLT, na sigla em inglês), que tem o poder de remover muitos intermediários e ineficiências dos processos de seguro para tornar os produtos mais baratos e mais amplamente disponíveis para aqueles que precisam.

As novas tecnologias causam um grande impacto na maneira como as pessoas se relacionam e fazem negócios. O que as seguradoras precisam fazer para se adaptar a esses novos tempos?

As seguradoras devem fazer três coisas importantes para se adaptar a esse mundo de mudanças aceleradas. Primeiro, elas devem enfrentar com afinco suas ineficiências e pendências técnicas causadas por sistemas e processos desatualizados, procurando maneiras de avançar no século XXI. Em segundo lugar, elas devem estar dispostas a encontrar parceiros confiáveis que possam ajudá-las nessa jornada, incluindo as insurtechs, em vez de seguirem sozinhas. Por fim, elas devem preparar seus funcionários para esse novo mundo, fornecendo treinamento e comunicação contínuos para ajudá-los a trabalhar efetivamente com a tecnologia, pois os funcionários que não o fizerem serão substituídos por essa mesma tecnologia.

Como você vê o setor de seguros dentro de 10 anos? Quais processos deixarão de existir e quais continuarão a existir da mesma maneira?

Eu acho que haverá muitas fusões e aquisições e o mercado será dominado por organizações maiores, que lidam com a maioria das demandas de seguro em escala, atuando com margens de lucro reduzidas, bem como por players de pequeno e médio porte, que podem oferecer produtos e serviços mais personalizados, mas com prêmios e margens mais altas.

O que os líderes do mercado de seguros precisam fazer para se adaptarem a esses novos tempos de disruptivos?

Eles precisam encontrar vozes confiáveis dentro e fora de sua organização que possam lhes dar uma avaliação honesta de seus pontos competitivos fortes e fracos. Os líderes precisam desenvolver e articular uma visão e um roteiro para se manterem relevantes no futuro e à frente dos concorrentes mais lentos, sempre equilibrando e priorizando a agilidade e a flexibilidade, à medida que as tecnologias mudam, considerando sempre as expectativas dos clientes.

E quanto aos trabalhadores do mercado de seguros? Que papéis devem deixar de existir e que novas necessidades surgirão?

Acho que ainda teremos agentes e corretores para linhas de negócios mais complexas, pois o seguro sempre envolverá confiança e relacionamento. Além disso, funções que ajudem a identificar exposições emergentes e a desenvolver rapidamente novos produtos e serviços para atender a necessidades crescentes serão críticas. Também penso que haverá mais cientistas de dados, que possuem um conjunto de habilidades mais amplo, substituindo atuários e subscritores. Já os processos intermediários, que não agregam valor aos clientes, deverão ser automatizados ou eliminados.

Como a tecnologia pode (caso possa) simplificar os processos de seguro e torná-lo mais atraente, acessível e inclusivo?

Geralmente, o que dificulta a automatização dos processos de seguro são os profissionais ligados a processos ineficientes e a necessidade de lidar com sistemas legados desatualizados. Muitas novas insurtechs já estão familiarizando-se com os processos das seguradoras tradicionais e personalizando suas ofertas para facilitar sua integração. Outras surgem de profissionais do seguro com amplo conhecimento sobre de onde estão as ineficiências e como capitalizá-las. Existem muitas oportunidades para melhorar o seguro e, com o tempo, a tecnologia inevitavelmente tornará a indústria muito mais eficiente, o que, por sua vez, a tornará mais atraente, acessível e inclusiva.

 

 

 

 

CONTEÚDOS RELACIONADOS