Voltar ao topo

CNseg doa mais de 1,3 mil livros para projetos de leitura em unidades prisionais

Exemplares de diversos tipos de literatura serão utilizados em iniciativa em parceria com a SEAP-RJ

19 de Setembro de 2022 - Instituto Ação Pela Paz

O Centro de Documentação e Memória do Mercado Segurador (CEDOM), uma iniciativa da CNseg, doou ao Instituto Ação pela Paz 1.325 obras literárias, 62 porta-revistas, seis estantes de aço com capacidade para cerca de três mil livros, para a implantação de projeto de leitura em unidades prisionais do Rio de Janeiro. Entre os objetivos com a iniciativa está a possibilidade da remição de pena aos reeducandos participantes.

Para viabilizar o trabalho, a organização social formalizou um termo de doação do material com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro (SEAP-RJ), que iniciou a retirada do material no fim de julho. Entre os livros doados, destacam-se clássicos das literaturas brasileira e estrangeira, como “Memórias Póstumas de Brás Cubas” e “Quincas Borba”, de Machado de Assis, e “Os irmãos Karamázovi”, de Fiódor M. Dostoiévski.

A coletânea de crônicas “Amor é Prosa, Sexo é Poesia”, de Arnaldo Jabor, o biográfico “Olga”, de Fernando Morais – já adaptado para o cinema – compõem a lista com títulos como o premiado “Cem Anos de Solidão”, do colombiano Gabriel Garcia Márquez, e o romance contemporâneo “A Caderneta Vermelha”, do escritor francês Antoine Laurain.

Para Ana Luiza de Souza Costa, coordenadora das atividades do CEDOM, o hábito de ler pode trazer diversos benefícios para pessoa em privação de liberdade. “Eis que por meio da leitura o apenado tende a melhorar sua conduta, seu comportamento. Desenvolve ou apura seu senso crítico, sua consciência. Através do conhecimento ele se torna, de alguma forma, livre”, diz ela.

Engajada com a necessidade do aprendizado democrático, Ana Luiza frisa que “se a educação é um direito de todos e um dever do Estado, então as unidades prisionais devem dispor de bibliotecas. O preso tem o direito à educação, eis que ele é um sujeito de direitos”.

O apoio da CNseg vem como uma colaboração da sociedade para ajudar o ente público a, segundo a coordenadora, “proporcionar que esses espaços sejam mais que a simples guarda ou punição”.

“Acredito que a única forma de ressocializar é por meio da leitura e por meio da educação. Afinal, como dizia Paulo Freire (educador e filósofo) ‘o conhecimento liberta’", conclui.

CONTEÚDOS RELACIONADOS

© Copyright - CNseg

© Copyright - FenSeg

© Copyright - FenaPrevi

© Copyright - FenaSaúde

© Copyright - FenaCap

© Copyright - Educação em Seguros

© Copyright - Poder Público