Voltar ao topo

Valor Econômico aborda Educação Financeira

Solange Beatriz, diretora de Relações de Consumo e Comunicação da CNseg, fala sobre o Programa de Educação em Seguros

31 de Julho de 2020 - Imprensa

Por Denise Bueno — Para o Valor Econômico, de São Paulo

A pandemia fez a demanda por informações sobre seguro de vida disparar, segundo especialistas. Os cursos de educação financeira disponíveis sobre esse assunto surtiam efeito, mas não o suficiente para mudar o patamar de penetração do seguro de vida no Brasil, que segue inferior a 1% do Produto Interno Bruto (PIB), abaixo dos 8% da média mundial.
 
“O brasileiro está mais apto a ouvir sobre produtos que podem mitigar riscos inerentes à vida, que comprometem não só a aposentadoria como também os sonhos”, afirma Mirella Lavrini, superintendente de comunicação e marca da MAG Seguros. A companhia criou novos canais de comunicação com seu público e com os corretores. “Apenas no primeiro semestre, foram mais de cem artigos publicados, que impactaram mais de 500 mil pessoas. Outra iniciativa é o PodCorretar, podcast disponível em todas as plataformas de streaming. Foram dez episódios no semestre, com impacto em mais de 4 mil pessoas”, informa.
 
A Icatu Seguros, especializada em previdência e vida, registrou um boom de inscrições em todos os cursos on-line oferecidos em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV). O curso “Como fazer investimentos nível básico” saiu de 3,6 mil inscrições em fevereiro para 27,5 mil em março. “Como organizar o orçamento familiar” foi de 2,7 mil inscrições para 18 mil. Desde marco, foram realizadas 15 lives financeira deve fazer parte do diálogo familiar, para que todos entendam a importância do planejamento”, diz Rafael Caetano, diretor de marketing da Icatu.

Aura Rebelo, vice-presidente de marketing digital da Prudential do Brasil, afirma que as pessoas têm uma dificuldade cognitiva para ouvir sobre seguro de vida. “Ninguém quer falar de morte e de dinheiro ao mesmo tempo”, diz. Enquanto tropicaliza a plataforma Financial Wellness que leva educação financeira aos clientes do grupo nos EUA, a Prudential aposta em novos canais. Como o longa “Não aprendi a dizer adeus”, que contará nos cinemas a história da dupla sertaneja Leandro e Leonardo. “Trabalhamos de forma lúdica com os conceitos que afetam a estabilidade emocional e financeira das pessoas”, diz.

Além das seguradoras, a CNseg, a Confederação das Seguradoras, investe em novos formatos. Solange Beatriz Palheiro Mendes, diretora de relações de consumo e comunicação da CNseg, conta que a pandemia acelerou o investimento em educação. “A agenda de 2020 conta webinars sobre temas estratégicos e a série de webtecs, com assuntos mais técnicos, que aproveitam o formato on-line para alcançar mais gente.”
 

 

CONTEÚDOS RELACIONADOS